, , , , , , ,

Opinião Literária: Jude Deveraux - Promessa de Veludo

Promessa de Veludo
Série Quarteto de Veludo - Livro 1
de Jude Deveraux 
Título Original: The Velvet Promise
ISBN: 9789897419836
Edição ou reimpressão: 08-2018
Editor: Quinta Essência
Páginas: 408
Coleção: Série Quarteto de Veludo 
Género: Romance
Compre na 
Wook
Livro (aqui) Ebook (aqui)
Bertrand
Livro (aqui) Ebook (aqui)
Goodreads: 4,02✯ (aqui)

Sinopse:
Ela pertence-lhe. Mas ele pertence a outra.
Gavin Montgomery está apaixonado. Jurou o seu amor eterno, está cego de paixão. Infelizmente, não é pela mulher que se encontra a seu lado no altar. Pois a sua amada Lady Alice casou com outro e ele pretende agora casar por conveniência, com uma jovem que está a ver pela primeira vez…

Lady Judith, no entanto, é de uma beleza eletrizante. Basta um toque da sua mão para despertar em Gavin um desejo abrasador. Mas, ao descobrir que o marido ama outra mulher, Judith jura a si mesma que ele não verá senão ódio nos seus olhos. Terá de lhe oferecer o seu corpo, mas o coração? Nunca.

O destino de ambos, porém, já está traçado. Será Gavin capaz de se libertar do feitiço de uma amante implacável?

Com Promessa de Veludo, Jude Deveraux dá início a uma arrebatadora saga de família, plena de emoção e surpresas.
A Minha Opinião:
Em primeiro lugar, quero agradecer à Leya, por me ter disponibilizado o livro.
Eu tive sentimentos muito contraditórios ao ler este livro, ao ponto de não saber bem que classificação lhe dar, mas falaremos disso mais à frente. 
O livro apresenta-nos inicialmente a Judith, uma rapariga de 17 anos, que viveu enclausurada na sua casa, por vontade da sua mãe, que a educou para ser Abadessa, e não para se casar, pois para ela os homens eram todos iguais, neste caso iguais ao seu marido. O pai de Judith não tem qualquer interesse na filha ou na mulher, porque só filhos varões é que lhe interessam e a sua segunda mulher deu-lhe uma filha. Contudo quando os dois filhos morrem, ele vê na filha a oportunidade de ter um herdeiro, e obriga-a a casar com Garvin Montgomery. 
Este, está tão interessado no casamento como Judith. Vive apaixonado desde do primeiro dia que a viu por Alice, uma rapariga bonita que o enfeitiçou por completo. E quando ela o informa que vai casar com um duque, ele aceita casar com Judith, afinal ela era rica, mas promete que amará sempre Alice. 
Comecemos logo pela Alice, a personagem que mais odiei neste livro, desde do primeira linha que ela aparece até à última. Logo para começar, ela informa-o que vai casar com o Duque Edmund, porque o pai a obriga (será mesmo?), mas quando ele diz que tem uma proposta de casamento, Meu Deus, cai o cabo e a trindade. Começou logo a enervar-me, ai ela pode, mas ele não... já agora. Depois durante toda a história faz-se de coitada, mas o grande problema dela é que tem mais olhos que barriga, e quando ele a quis ela resolveu quer o dinheiro, quando viu que ele já estava fora do alcance ficou completamente doida. Resumindo. faz-me lembrar as vilãs das novelas da noite, fazem sofrer durante a novela toda, e têm o castigo nos últimos capítulos.
Agora as personagens principais, Judith era uma mulher inteligente, trabalhadora, corajosa, que não servia para receber ordens de quem quer que fosse, nem do seu marido, o que o deixava doido. Mas apesar da promessa que lhe fez, como fala na sinopse, acaba por cair nas teias do Montgomery com mais facilidade do que tencionava. Garvin, por seu turno, vivia in love pela bruxa loira (Alice), ninguém podia falar dela que ele ficava todo irritado, e o que mais me enervou, é que aquela gaja fez trinta por uma linha e ele conseguia defendê-la sempre, parecia daqueles ceguinhos que via apenas aquilo que queria ver, nem com todos à sua volta a tentarem chamá-lo à razão ele ouvia. 
Em relação ao enredo, surpreendeu-me, porque não era bem o que eu esperava, pensava que a pessoa que o Gavin era apaixonada era diferente. Mas gostei do que li, porque por mais que o Gavin não seja apaixonado pela sua esposa ele defende-a, mas ao mesmo tempo ataca-a. 
Algo que possivelmente não foi tão bem conseguido foi o uso da palavra "violação" como se fosse algo normal. Mas se pensarmos bem, este livro passa-se em 1501 (e foi escrito em 1980), ou seja, a esposa tinha que servir o marido, quer ela quisesse ou não (atenção: eu não estou a dizer que é certo ou que concordo, estou a constatar a mentalidade na época), e se ele a forçava ter relações sexuais, é considerado uma violação, nos dias de hoje, apesar de não ter a certeza de que naquela época as pessoas constatavam isso com uma palavra. Contudo ela não leva aquilo muito a sério porque apesar de tentar repudiá-lo, acaba sempre nos seus braços.
Resumindo, eu li este livro relativamente rápido, em menos de um dia, porque a forma como a autora no expõe o texto é viciante e está escrito de uma forma que nos faz querer sempre mais, por isso é que o final ficou seriamente a desejar, porque eu queria saber mais, saber o que ia acontecer, mas talvez nos próximos volumes da série a autora nos apresente o futuro destes protagonistas.
Eu gostei de ler este livro, mas fez-me sentir tantas sensações contraditórias, algo que nunca aconteceu num livro, e daí a minha complicação com a classificação. Mas acabei por decidir-me pelas 4,5 estrelas. Meia estrela a menos devido à questão que abordei acima, que poderia ser tratada de outra forma.
Uma forma de definir a minha leitura é que às vezes apetecia-me viajar até ao século XVI para dar uma tareia a algumas personagens!!
Classificação





Outras Capas


Leitura com o Apoio:

Share:

1 comentário:

  1. Ainda não li,fiquei curiosa, mas entendi perfeitamente as tuas sensações contraditórias. Adorei a tua última frase, que maravilha heheheh...

    ResponderEliminar